Os seis pontos do Ecodesign.

Olá pessoal, hoje eu venho com um resumo de uma parte de um curso que estou fazendo sobre Ecidesign para cidades e subúrbios. Ecodesign pode ser especificado como o projeto para uma melhora na infraestrutura urbana combinando qualidade, preservação ao meio ambiente, facilidade e pensamento multidisciplinar. Uma integração do sistema artificial e natural envolvendo todo o contexto do espaço.

Capturar

Os seis pontos que guiam a produção desse tipo de pensamento para determinado lugar ou cidade são:

  1. Compreender e gerir a complexidade – As pessoas fazem da cidade um lugar dinâmico. Este sistema dinâmico na cidade nos traz uma larga variação nas formas de expressão humanas. Também temos que entender, ao projetar um espaço, que fora as necessidades básicas de uma pessoa, existem expectativas perceptivas e espirituais que devem ser supridas através do espaço. Os espaços com natureza por exemplo devem trabalhar junto com o design urbano para que o ambiente se torne mais agradável e humano.
  2. Tornar sustentável o crescimento econômico e populacional – Precisamos nos ater a importância de pensar nas futuras gerações nunca descartando a importância dos sistemas naturais. Como exemplo podemos citar espaços abandonados, uma boa opção é reusá-los e não pensar em primeira estância em destruí-los, visto que já existe toda uma estrutura que pode ser reaproveitada.
  3. Tornar todo o processo projetual interdisciplinar – Aqui novamente percebemos o conceito de Ecodesign, todas as disciplinas trabalhando juntas para obter um só resultado.
  4. Sempre requerer envolvimento público – Sempre que diversas opiniões são obtidas para um mesmo espaço, é possível extrair os melhores pontos de cada uma e se chegar a um resultado mais satisfatório. Como já ouvimos diversas vezes: Duas mentes pensam melhor que uma.
  5. Respeitar o contexto – Antes de alterar um espaço precisamos levar em consideração que há um valor emocional para quem habita o local, contanto, a primeira hipótese a ser levada em consideração deve ser : conservar, renovar, reciclar. Se não for possível essas opções, então devemos pensar em intervenções que use menos energia e poucos recursos para obtermos viabilidade de projeto.
  6. Projetar com uma tabela variada de produtos e materiais – Os projetistas devem se sentir livres para explorar e usar todos os materiais disponíveis no mercado, combinar diversos materiais para se obter melhor desempenho e qualidade.

Esses são os pontos principais do Ecodesign para cidades! Se você gostou, curte, compartilhe e nos acompanhe pelo blog ou facebook! Um abraço!

Novo Urbanismo, o que é?

O  Novo Urbanismo consiste em explorar as possibilidades reais do desenvolvimento de uma cidade. Com o crescimento de rodovias e áreas monofuncionais, a cidade passou a interagir com o cidadão de forma diferente. Ao invés de encontrarmos uma dinâmica ativa de comércio, lazer, descanso e outras funções por toda a cidade, encontramos núcleos de usos diferentes, por exemplo um shopping onde encontramos um forte setor comercial. Hoje, na maioria das vezes, para trabalharmos por exemplo, precisamos nos deslocar através de algum veículo auto motor. Precisamos levar em conta que é necessário estudos de aspecto social somados aos estudos de desenvolvimento e crescimento das cidades pois, é uma questão óbvia que as cidades são para serem feitas e projetadas para pessoas, mas nem sempre é isso que vemos. Outro fator é que as cidades devem contemplar o uso de diversas faixas etárias e classificações de renda, não excluindo nenhum tipo de uso. O correto seria pensar de forma a abranger todas as áreas e não só algumas em específico, como por exemplo o favorecimento para o uso de veículos auto motores, excluindo-se a possibilidade do trânsito de pedestres pela cidade.

novo urbanismo

Foi redigida uma carta do conceito do Novo Urbanismo e dividida em 27 tópicos, resumidos a seguir:

Metrópole, cidade grande e média, cidade pequena

01. A região metropolitana é um órgão com relevada importância no mundo contemporâneo. Devido a este fato, é crucial a cooperação das esferas públicas, governamentais, econômicas e de interesse público, para que haja um bom funcionamento da cidade como um todo.

02. Regiões metropolitanas são lugares finitos, limitadas por dividas geográficas e topográficas.

03. A metrópole tem uma necessária relação com a área rural, necessidade essa ambiental em primeiro aspecto, econômico e cultural.

04. Deve haver incentivo para o desenvolvimento das áreas periféricas da região metropolitana para que estas não caiam em esquecimento levando ao abandono.

05. O crescimento das periferias podem ocorrer de duas formas: pequenas cidades ou vilas com seu próprio perímetro urbano, e nesses casos deve haver uso misto na área para que a mesma não seja utilizada como cidade dormitório.

06. O desenvolvimento das cidades devem respeitar o legado histórico.

07. As cidades grandes e médias devem oferecer uma larga oferta de serviços públicos e privados para oferecer renda a todas as pessoas. Deve-se mesclar moradias sociais no espaço.

08. A estrutura física da cidade deve contar com diversos meios de transportes como bicicletas, transportes coletivos e pedestres, para que haja outras possibilidades de deslocamento fora o veículo automotor privado.

09. Impostos podem ser divididos equitativamente entre os governos para manutenção das cidades.

Bairro, setor e corredor

10.  O bairro, o setor urbano e o corredor são áreas essenciais para o desenvolvimento da cidade, são nesses espaços que as pessoas criam uma relação com o espaço.

11. Os bairros devem ser acolhedores e atender os pedestres e ter uso misto. Os setores tem certa prevalência de usos, mas deve ter o mesmo aspecto do bairro e os corredores são as ligações existentes entre um e outro.

12. Muitas atividades do cotidiano devem ser possíveis de serem feitas a pé. Isto para atender aos que não possuem veículo automotor e precisam trabalhar, se divertir, e fazer uso das necessidades básicas. Para isso, há necessidade de uma rede interligada de vias que encoraje o caminhar.

13. Variedade no tipo de moradia e preços para criar a correta dinâmica miscigenada de uma comunidade.

14. Corredores urbanos bem planejados para conectar todas as áreas sem desconsiderar o aspecto já existente no local da inserção do projeto.

15. Densidades adequadas das edificações e distâncias que deem para ser percorridas a pé, para que a área esteja ao alcance de todos.

16. A concentração de atividades públicas, educacionais e comerciais devem estar distribuídas pelos bairros e serem acessíveis a qualquer tipo de trânsito. Por exemplo, uma criança deve ser capaz de chegar a sua escola de bicicleta.

17. A vitalidade econômica e evolução harmoniosa de uma cidade deve ser estudada através de gráficos para possíveis melhoras.

18.  Diversidade de parques e áreas verdes distribuídos pelos bairros e essas mesmas áreas para servirem como conexão entre bairros e cidades.

Quadra, rua e edifício

19. A primeira tarefa de toda a arquitetura urbana e do paisagismo é a definição física das ruas e dos espaços públicos como lugares de uso comum.

20. Projetos de edificações isoladas podem ser perfeitamente ligados a seus vizinhos. Esta questão transcende as razões de estilo.

21. A revitalização de espaços urbanos depende de segurança (safety) e de proteção (security).

22. Na metrópole contemporânea o desenvolvimento deve acomodar os automóveis de forma adequada. Isto deve ser feito de modo a respeitar os pedestres e a forma do espaço público.

23. Ruas e praças podem ser seguras, confortáveis, e interessantes para o pedestre. Bem configuradas elas encorajam o passeio, permitem os moradores se conhecerem e com isto protegerem sua comunidade.

24. O projeto de arquitetura e paisagismo deve desenvolver-se considerando o clima, a topografia, a história e a prática de construir.

25. Edifícios institucionais e lugares públicos de reunião requerem sítios significativos para reforçar sua identidade e a cultura da democracia. Eles merecem formas distintas, porque seu papel é diferente dos outros edifícios e lugares que constituem o tecido urbano da cidade.

26. Todos os edifícios devem proporcionar a seu ocupante um claro senso de localização, clima, e tempo. Processos naturais de calefação e ventilação podem ser mais eficientes como economia de recursos que os sistemas mecânicos.

27. A preservação e renovação de edifícios históricos, áreas urbanas significativas (distritos), e de espaços verdes (landscapes) garantem a continuidade e evolução da sociedade urbana.

Esses aspectos mencionados acima, tem como foco o respeito as pessoas e o meio ambiente, procurando proporcionar espaços de qualidade ao usuário.

Por outro lado, temos opiniões divergentes quanto ao assunto do novo urbanismo mencionado acima. Segue críticas em relação ao assunto:

– eles estão provocando mais subdivisões do território (apesar de algumas inovadoras) do que cidades, se referindo ao problema da forma ocupação de dispersa do território;

– favoreceram mais o gerenciamento privado das comunidades, que propostas para novas formas de administração pública local;

– as densidades demográficas previstas são muito baixas para suportarem uso misto, e mais ainda para o uso de transportes públicos;

– estão criando enclaves demográficos relativamente homogêneos, sem muita diversificação socioeconômica;

– sem dúvida, estão produzindo uma nova, atrativa, e desejável forma de unidades planejadas de desenvolvimento (“PUD, Planned Unit Development”), e não um sistema eficiente de utilizar vazios bem localizados (“infill development”);

– as estratégias de mercado propostas são mais ajustadas aos empreendedores privados do que às agencias públicas;

– criaram uma nova onda determinista de que a forma segue a função (estranhamente moderno para aqueles que se dizem críticos do modernismo), levando a crer que o sentido de comunidade possa ser alcançado apenas pelo projeto;

– estão promovendo a perpetuação do mito de ser possível criar e manter núcleos urbanos com o caráter de localidades campestres;

– produzidos cuidadosamente, os projetos dos novos urbanistas são divulgados como evocação dos tempos dourados das pequenas cidades e da inocência de um século atrás, que em verdade foi o tempo em que muitos americanos se deslocaram do campo para as cidades maiores, e não para localidades de subúrbio.

Este é resumo dos pontos críticos colocados por Krieger, espelho da posição do GSD, Departamento de Planejamento e Projetos Urbanos de Harvard. Conclui que o bom urbanismo não é necessariamente aquele dos novos urbanistas. Que o sucesso obtido pelo Novo Urbanismo, como repercussão na sociedade, tem sido maior que suas realizações, se analisadas do ponto de vista técnico.

Texto base: Vitruvius

Nota pessoal:novo urbanismo.jpg

No meu ponto de vista pessoal, acredito que há muitas ideias significativas que constam na carta do novo urbanismo, como por exemplo a dinâmica proposta para os bairros e a inserção de áreas verdes, o que permite maior qualidade e satisfação na moradia local. Por outro lado, também é importante o ponto de vista contrário à carta, pois como observamos com conhecimentos empíricos, não podemos engessar um processo, ainda mais quando se trata de grandes espaços com dinâmicas diferentes. Precisamos levar em consideração todos os aspectos positivos e negativos do local, conhecê-lo profundamente, estudá-lo e então, propor iniciativas que venham somar para o bom desenvolvimento da cidade, sejam iniciativas a favor ou contra ideais proposto por estudiosos, políticos ou civis. O conjunto de conhecimentos nos leva a possibilidade de alternativas viáveis e de crescimento para os espaços projetados ou re-inventados, conforme necessidade do local.

 

Leitura recomendada: Vida e Morte das Grandes cidades – Jane Jacobs

 

Da série: faça você mesmo

Fala pessoal, tudo bem?
Hoje eu trago para vocês uma ideia bem bacana de uma caixa de madeira que foi tratada e colocado rodízio para virar um lindo revisteiro. Achei a ideia muito interessante e é super simples de fazer. Dá pra usar na sala, quarto, banheiro, estar. Olhem o resultado que legal 🙂
dia 05 07.jpg
imagem: tudoartemilideias.blogspot.com.br

 

Lavanderia, como decorar?

Olá pessoal!

Sempre achamos que a lavanderia é aquele cômodo sem graça, branco, sem nada demais não é mesmo? Mas estamos enganados! Podemos deixar nossa lavanderia super diferente e linda, inovadora!

Uma ideia que trago hoje no blog é super simples! Você vai pegar uma parede da sua lavanderia (uma só) e vai destacar ela de alguma forma, seja com uma cor vibrante, um papel de parede ou melhor ainda, com ladrilho hidráulico! Fica sensacional o resultado e você não irá investir muito dinheiro nisso e obterá um resultado super bacana! O ladrilho hidráulico custa em média de R$ 15,00 a plaquinha de 20×20 cm, é linda, cai super bem num ambiente e faz toda diferença! Você pode comprar o material online se quiser! E aí, bora mudar sua lavanderia?

62e90db9adb20d49d34a44e9eb6d94eb

Fonte imagem: Revistaquem

Cozinha colorida

A cozinha é um lugar essencial na casa, sabemos que muito dos eventos sociais que ocorrem em nossas casas são na cozinha, onde todos se reúnem, conversam e comem. Comer e conversar com amigos não tem preço que pague. Pensando nisso foi que desenvolvi um projeto com clima de alegria numa cozinha aconchegante num AP no  interior de São Paulo.

Confira as imagens do resultado, espero que goste:

33

cozinha 1

cozinha2

coz

Solicite um orçamento para seu projeto:

deborabonetto@live.com

 

 

Grande hotel – Pelotas

Grande Hotel – Pelotas

Grande Hotel - Pelotas
Grande hotel – Pelotas (foto autoral)

Segundo o livro Aprendendo com Las Vegas, o edifício se enquadra mais no estilo Pato, pelo fato da construção encerrar em si sua própria referência. Contanto, traz em si resquícios da era nomeada por Venturi como ‘’galpão decorado’’, pois ainda não está de todo imersa no movimento moderno, podendo-se observar traços decorativos ignorados pelos modernistas e conceitos diferenciados, encerrando-se no estilo mais adequado ao seu perfil : o eclético.

Projetado pelo Engenheiro Theóphilo Borges de Barros, o edifício foi construído entre 1924 a 1928. Abrigou muitos ilustres e representava o status da época. Hoje é um bem tombado e foi adquirido pela Universidade de Pelotas para que o edifício sirva de sede para o curso de Hotelaria e Turismo.

Foi o edifício que mais me chamou a atenção quando visitei a cidade de Pelotas. Acredito que um dos fatores que devem ser levados em conta é o interesse que certa edificação causa no espectador. A vontade de utilizá-lo de alguma forma. Acredito que os estilos em sua totalidade não devem ser seguidos individualmente, mas é interessante que os arquitetos tenham um senso crítico apurado e pensamento aberto para utilizar-se do melhor de cada descoberta para criar o que é necessário para a sociedade moderna atual. Se houver essa interação e troca de valores e referências entre os estilos, é possível chegar em soluções para os atuais problemas que enfrentamos na nossa sociedade no aspecto urbano – arquitetônico. Descartar o que não funciona e selecionar métodos eficientes. Acredito que não há a necessidade de se desapegar totalmente de um estilo antigo e recriar os conceitos adotados na arquitetura até então. Também não há necessidade de atacar certo movimento tendo-o como completamente errado e ineficiente pois, todas as descobertas somam para um amadurecimento no pensar e é essa dinâmica que nos permite progredir como sociedade. Não defendo a bagunça e a confusão, não. Mas, se o indivíduo arquiteto sabe raciocinar claramente sobre os estilos, o que gerou na sociedade, suas eficácias e ineficiências e, com isso montar um plano positivo para qualquer segmento da sociedade, sou totalmente a favor de que o mesmo o utilize de forma a agregar valor à sociedade possibilitando futuras descobertas em diversos setores, pois ao contrário do que muitos pensam, o mundo continua dinâmico e há muitas coisas a serem descobertas ainda. A estagnação não pode fazer parte da rotina de pensamentos de um arquiteto, ele deve estar sempre aberto ao novo. O edifício do Grande Hotel de Pelotas, em seu estilo eclético mostra que, mesmo não sendo fiel a um único modo de pensar, é possível obter-se excelentes resultados que permeiam o tempo e a sociedade.

Débora Bonetto.

 

Viga baldrame, o que é?

O que são Vigas Baldrames?

Forma-Viga-Baldrame

Você sabe o que são Vigas Baldrames? Baldrames são as vigas que ficam normalmente um pouco abaixo do nível do solo. Nos baldrames, amarram entre si o topo das estacas ou brocas com as armações de ancoragem e as bases dos pilares.

A viga baldrame pode ser considerada a própria fundação. No caso de terrenos firmes e cargas pequenas, pode-se utilizar este tipo de fundação rasa e bem econômica que, nada mais é do que uma viga, calculada como viga sobre base elástica e construída em uma escavação com pouca profundidade, destinada a suportar a carga de todas as paredes de uma construção, transferindo-a as brocas e estacas e ao solo.

As vigas baldrame, são utilizadas em fundações que requerem pouca profundidade. Recomenda-se que as cargas a serem suportadas pelas vigas sejam pequenas, toda viga baldrame deve ser devidamente dimensionada para a devida carga que será suportada. Seu uso traz economia à obra e auxilia a distribuição do peso de lajes e paredes para ao solo. Caso necessite de uma fundação mais profunda, use a viga baldrame com blocos de fundação. Em dias de chuva, o indicado é suspender a obra, pois é impossível fazer um bom trabalho de fundação com o terreno molhado.

Detalhes das Vigas Baldrames

As Vigas Baldrames são vigas de formato retangular, moldadas no local (in loco), dependendo do caso pode ser pré-moldadas, com a função de receber cargas das paredes e transferi-las aos blocos de fundação ou as brocas ou ao solo. O uso das vigas baldrame também proporciona travamento entre os blocos de fundação, distribuindo os esforços laterais e restringindo parcialmente o giro em sua direção.

Faça sempre a viga de no mínimo a espessura das paredes, se a parede for, por exemplo, de um tijolo, faça a viga de largura de um tijolo e meio. Se o terreno não for firme faça um alicerce ainda mais largo e aprofunde a vala de seu alicerce a mais de 40 cm de profundidade, até alcançar um terreno firme e que não contenha raízes de plantas.

Fazendo o dimensionamento correto das vigas baldrames e bem executado com profissionais qualificados, evita problemas futuros, o surgimento recalques e de trincas nas paredes.

Para regularizar o nível da vigas baldrames em função da declividade do terreno deve ser executado uma alvenaria de embasamento e em seguida a impermeabilização da fundação.

 

Não faça qualquer serviço de construção sem consultar o Engenheiro Responsável pela Obra.

 

Fonte:http://engcarlos.com.br