Cor, valor e intensidade

Hoje, continuando a matéria de ontem, vou falar alguns pontos em relação à cor, valor e intensidade.

cores1

SENTIMENTOS

Cor – cores quentes são estimulantes, cores frias acalmantes.

Valor – valores altos são alegres; valores baixos variam de calmos para depressivos; contrastantes são alertantes.

Intensidade – intensidades fortes são alertantes; intensidades fracas são acalmantes.

ATENÇÃO

Cor – cores quentes atraem  mais atenção que cores frias.

Valor – valores extremos tendem a atrair o olhar; mas contrastes ou surpresas é ainda mais eficaz.

Intensidade – intensidade forte atrai a atenção.

TAMANHO

Cor – cores quentes aumentam o tamanho aparente do objeto; usado nas paredes, elas diminuem o tamanho aparente do ambiente.

Valor – valores altos aumentam o tamanho aparente do objeto; mas contraste com o fundo é também eficaz.

Intensidade – intensidades fortes aumentam o tamanho aparente do objeto; usado na parede, eles diminuem o tamanho aparente da sala.

DISTÂNCIA

Cor – cores quentes trazem o objeto para mais perto; cores frias afastam o objeto.

Valor – valores altos afastam; valores baixos avançam; fortes contrastes em valores também avançam os objetos.

Intensidade – intensidades fortes diminuem a distância aparente.

CONTORNO OU LINHA

Cor – cores quentes disfarçam um pouco mais o contorno que as cores frias.

Valor – contrastes de valores enfatiza os contornos.

Intensidade – contrastes de intensidade enfatizam o contorno.

Efeito das Cores.

coresOlá pessoal. Essa semana eu vou falar sobre as variadas características das cores. Um pouco cada dia, ao final da semana eu termino a postagem sobre esse tema.

Vamos lá…

Os efeitos das cores – cor, valor e intensidade – sofrem interferências e são variáveis. Nós precisamos realmente trabalhar com as cores para desenvolvermos um entendimento e um sentimento pela cor. Afortunadamente, em todas as áreas da decoração, as cores são umas das coisas mais fáceis de se perceber diretamente através de quadros, posters, aquarelas, papel de parede, entre outros. O que segue são generalizações que são verdadeiras em certas ocasiões e em certas condições.

Efeitos emocionais

Respostas psicológicas às cores é uma coisa pessoal, mas existem certas tendências que podemos identificar:

Cores quentes, valores altos e intensidade forte, são estimulantes e enérgicas.

– Cores frias, valores mais baixos e intensidade fraca parecem calmas e subjugadas.

– Cores, valores e intensidade intermediárias são relaxantes e não chamam atenção.

– Contrastes pronunciados, tais como branco e preto, são ativos e estimulantes.

[continua]

 

Inventar & reinventar.

jjjjOlá gente bonita!

Hoje eu trago uma super dica para quem gosta dos modelos dos móveis de 1950/60.

Com materiais baratos e muita facilidade, você mesmo pode fazer seu móvel, com pé palito! Conhece? Não?! Então fique por dentro!

Pé palito são aqueles ”pézinhos” mais finos dos móveis do século passado, que traziam charme à casa e que fizeram muito sucesso! Estão voltando com tudo e a melhor parte é que você mesmo pode criar seu móvel !

Esse vídeo a seguir mostra como se fazer um ‘cantinho para seu pet’ ou mesmo uma mesinha 🙂

Tomara que você goste!

Como dar um UP na sua casa!

cadeirarevestidatecidoÀs vezes nós temos 200 mil ideias mas nunca realizamos nenhuma.

Um ponto de partida para conseguirmos fazer o que planejamos é listar tudo, item a item e ir realizando um por um porque, se a gente quiser fazer tudo de uma vez, não conseguimos nada!

Bom, hoje eu estou trazendo uma ideia super legal para restaurar os moveis da sua casa com criatividade 🙂

Vou trazer uma ideia que eu retirei de uma revista e gostei muito. Super criativo!

Sabe aquela cadeira de madeira que já está meio velha, talvez até descascando? Ou aquela mesinha estacionada no ‘quarto de bagunças’?

Pois vou te dar uma dica de deixar essa cadeira novinha ‘em folha’ rs

Difícil? Não! É super fácil, confira o vídeo a seguir e aprenda 😉

Cantinho do sossego.

blog 111

Todos gostam daquele cantinho na casa onde dá para se desligar de tudo, de todas as dificuldades e lutas que a vida traz conseguindo assim, descansar a mente e renovar as forças não é?

Hoje eu vou te mostrar algumas ideias de alguns lugares na sua casa que podem passar por uma pequena reforma e virar esse tão querido, cantinho do sossego.

Primeiro, analise sua casa. Veja um canto onde você não usa frequentemente, ou aquele canto que precisa passar por uma reforma, ou mesmo aquele lugar que você se sente mais confortável.

Ok, feito isso, agora pense numa cor que te agrada. Pinte alguma parede dessa cor…se a cor for muito vibrante, por exemplo laranja ou vermelho, como será um lugar para descansar, tente colocar essa cor num detalhe e não numa parede inteira… para a parede use cores como o azul claro, verde claro, creme, entre essas cores que são suaves, deixo você escolher a que mais lhe agrada 🙂

Mais esse passo completo, agora pegue um móvel do qual você gosta, coloque-o nesse ambiente (um móvel pequeno, de preferência) coloque uma mesinha, uma poltrona ou mesmo almofadas grandes.

Coloque também revistas do seu agrado, um rádio se você quiser, um tapete bem aconchegante e use um aroma que você gosta!

Para completar, e que não pode faltar, te recomendo uma rede! Isso mesmo! não importa se é dentro ou fora de casa, coloque uma rede bem confortável para que você possa descansar  a sua mente e seu corpo.

Você vai ver que esse cantinho vai te trazer conforto, mais saúde e tranquilidade, além de você poder descansar dessa vida corrida no seu lugar predileto!

Lembre-se: Para mudar algo, basta você querer!

Débora Bonetto

Meu ponto de vista.

Caros leitores,

Eu, Débora Bonetto, dona do blog, estudante de arquitetura, expus o texto de  WALCYR CARRASCO, com o título da matéria ”Arquiteto: minha vontade ou a do cliente?” pois eu realmente acho que se o profissional age sem profissionalismo acaba atrapalhando os que realmente querem trabalhar com honestidade e respeito.

Na minha visão, um arquiteto antes de começar a projetar, seja o que for, tem que estabelecer prioridades e, para mim, a vontade de quem está comprando o seu serviço, é mais do que importante! Precisamos sim atentar ao máximo para o que o cliente tem em mente e qual é a sua vontade. Ele te contratou para realizar o que ele quer, imagino…

Eu concordo que muitas vezes o cliente acaba se equivocando em certas ideias, mas é aceitável pois ele não tem o amplo conhecimento que um profissional da área tem. Mas isso não é, de jeito algum, um problema. Pode-se muito bem canalizar essas ideias para que se obtenha um excelente resultado.

Penso que, quando o cliente dá alguma opinião ao arquiteto, este deve acatá-la e, se realmente o arquiteto souber que aquela determinada vontade do cliente não funciona ou não encaixa no projeto em geral, deve conversar com o cliente a fim de chegar a um acordo, e antes de tudo, mostrar a ele o porquê quer que mude.

Não é aceitável de um profissional jogar suas ideias e gostos ao cliente esperando que pelo fato do arquiteto ser um profissional formado, o cliente aceite tudo de bom grado, muitas vezes por inibição! Temos que lembrar que ninguém é igual a ninguém, que cada um tem um jeito, um gosto, uma opinião, uma maneira de ser.

Eu sou estudante, ainda tenho muito a aprender, mas já tenho certo comigo de que estamos realizando sonhos de pessoas e que elas merecem ter o que podemos dar de melhor a elas, ou seja, a realização dos seus objetivos e um trabalho bem feito.

Quando eu projeto, seja para quem for, procuro manter a ideia do cliente sempre destacada.A maior realização de um verdadeiro profissional está em ajudar o cliente a chegar onde almeja e fazer com que ele se sinta satisfeito pelo seu trabalho, ou seja, transformar as ideias dele em formas concretas!

Por: Débora Bonetto. Designer de Interiores e futura Arquiteta.  

59258-34169-1280